sábado, 29 de fevereiro de 2020

Cruz Vermelha - posse novos conselheiros

Tomaram posse na noite de 28 de fevereiro, na sede da Cruz Vermelha Brasileira, filial Alagoas, situada à  Av. Com. Gustavo de Paiva, 2889 - Mangabeiras,  os novos conselheiros da entidade. Os doze empossados que representam 1/3 do conselho,  foram eleitos numa lista de mais de 30 candidatos e terão mandatos que variam de 1 a 4 anos.
A mesa foi  composta pelo presidente da CVB/AL, Hudson Canuto, pelo Secretário Geral, Rógio José Oliveira Lima, pela Conselheira Nacional, Adriana Barbosa e pela conselheira estadual, Olga Miranda.
Os empossados foram:
1. Agarina Mendonça
2. Hélio Domingos
3. Magali Pimentel Cardoso
4. Vera Lúcia Café Inácio
5. Paulo Marinho Gomes
6. Lean Antônio Ferreira de Araújo
7.Irani Buarque G. Aguiar
8. Adriana Tavares Araújo
9. Kátia Lanusia Sousa Moura Sampaio
10. Leonardo de Morais Araújo Lima
11. Luciana Rodrigues Barreto Pontes de Mendonça
12. Neyla Agra de Miranda,
A Conselheira, Agarina Mendonça Vasconcelos, saudou os novos conselheiros.

A Cruz Vermelha Brasileira

A História da Cruz Vermelha Brasileira iniciou no ano de 1907, graças à ação do Dr. Joaquim de Oliveira Botelho, espírito culto e cheio de iniciativa que, inspirando-se naquilo que testemunhara em outros países, sentiu-se animado do desejo de ver, também aqui, fundada e funcionando, uma Sociedade da Cruz Vermelha. Junto com outros profissionais da área de saúde e pessoas da sociedade promoveu uma reunião em 17 de outubro daquele ano na Sociedade de Geografia do Rio de Janeiro, para lançamento das bases da organização da Cruz Vermelha Brasileira. Em reunião realizada em 5 de dezembro de 1908, foram discutidos e aprovados os Estatutos da Sociedade. Esta data ficou consagrada como a de fundação da Cruz Vermelha Brasileira, que teve como primeiro Presidente o Sanitarista Oswaldo Cruz. O registro e o reconhecimento da entidade nos âmbitos nacional e internacional se deu nos anos de 1910 e 1912, sendo que a I Grande Guerra (1914/1918) constitui-se, desde seus primórdios, no fator decisivo para o grande impulso que teria a nova Sociedade.
As “Damas da Cruz Vermelha Brasileira”, comitê criado por um grupo de senhoras da sociedade carioca, deu origem à Seção Feminina, que teria como primeira tarefa, a formação do corpo de Enfermeiras voluntárias. A semente assim plantada frutificaria e, para permitir o funcionamento de outros cursos sugeridos pela Seção Feminina, foi criada e inaugurada, em março de 1916, a Escola Pratica de Enfermagem, sob a eficiente direção do Dr. Getúlio dos Santos, na época Capitão Medico do Exército. Com a declaração de guerra do Brasil aos Impérios Centrais (Alemanha e seus aliados), a Sociedade expandir-se-ia com intensificação dos Cursos de Enfermagem e com a criação de filiais estaduais e municipais, cabendo a São Paulo a primazia. Em 1919, as filiais já eram em número de 16.
A Cruz Vermelha Brasileira participou da constituição da Federação de Sociedade de Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho em 1919, filiando-se a ela. Em nosso país, tornou-se instituição modelar, da forma prevista nas Convenções de Genebra, como em tempos de paz, levando ajuda a vítimas de catástrofes e desastres naturais (secas, enchentes, terremotos etc.).
Atua com base nos princípios fundamentais da Cruz Vermelha, que são:
  • Humanidade
  • Imparcialidade
  • Neutralidade
  • Independência
  • Voluntariado
  • Unidade
  • Universalidade
É reconhecida pelo governo brasileiro como sociedade de socorro voluntário, autônoma, auxiliar dos poderes públicos e, em particular, dos serviços militares de saúde, bem como única sociedade nacional da Cruz Vermelha autorizada a exercer suas atividades em todo o território brasileiro.
Cruz Vermelha Brasileira - filial Alagoas - 69 anos de história
Fundada em fevereiro de 1951, a CVB/AL, iniciou suas atividades servindo as famílias dos soldados brasileiros que tinham participado da 2ª guerra mundial, através da concessão de benefícios eventuais , mediante convênio com a Legião Brasileira de Assistência - LBA.  Atualmente a CVB/AL, trabalha na perspectiva de proporcionar aos segmentos sociais mais vulneráveis a oferta de serviços em diferentes áreas, com destaque para a saúde, educação, e assistência social.
Galeria de fotos da solenidade de posse dos novos conselheiros
 Diretoria e Conselho

Conselheiros eleitos e empossados

Presidente CVB/AL Hudson Canuto































domingo, 23 de fevereiro de 2020

Bloco Nega Fulô

Desfilando pelo 5º ano consecutivo no carnaval de Maceió, o bloco carnavalesco, Nega Fulô, deu mais um show de alegria e muito frevo no pé, neste domingo (23) na orla da capital alagoana.
O bloco é organizado pelo carnavalesco, compositor e escritor, Carlito Lima, que neste  ano homenageou  o ícone do rádio alagoano, radialista, Reinaldo Cavalcante, falecido em 2019, aos 80 anos, deixando mais de meio século de serviços prestados.
O Nega Fulô é um simbolo do resgate do carnaval maceioense, o bloco não possui corda  e é livre usar ou não a camiseta, muitos foliões preferem ir  fantasiados o que dá um brilho especial ao desfile.
O bloco saiu da  praça Sete Coqueiros, Pajuçara, em direção ao antigo Alagoinhas, na Ponta Verde, arrastando centenas de turistas que visitam maceió nessa época do ano. No meio do trajeto o cortejo parou e a orquestra de frevo executou o "parabéns pra você..." para  o aniversariante do dia, Carlito Lima, que completa 80 anos e desfilou num lindo carro alegórico ao lado de lindas mulatas, visivelmente muito emocionado.
Confira a galeria de fotos.